Helicóptero da TV Record baleado (Foto: Reprodução)
Helicóptero da TV Record baleado (Foto: Reprodução)

Urgente! Funcionário da TV Record é baleado enquanto trabalhava: "Extrema gravidade"

Deslize para ler mais
author-image
Por Edmo Salazar

28 Maio 2021

Helicóptero da TV Record baleado (Foto: Reprodução)

A princípio, o piloto de helicóptero e funcionário da TV Record, Darlan Da Silva Santana trabalhava normalmente. Mas de repente, sobrevoando a comunidade da Mangueira, na zona norte do Rio o funcionário foi atingido por uma bala perdida no seu joelho direito.

Em seguida, diante do ferimento, o piloto teve que fazer um pouso de emergência no estádio de futebol Nilton Santos, O Engenhão. Em seguida, o Corpo de Bombeiros socorreu o funcionário o direcionando para o atendimento mais próximo ao ocorrido.

+ Revoltado, Neymar quebra o silêncio e desabafa sobre acusação de assédio: “Indignado”

+ Juliette pede Marina Ruy Barbosa em casamento e ela responde

Funcionário é piloto de helicóptero da TV Record

Darlan Da Silva Santana, funcionário da TV Record (Foto: Reprodução)

Darlan Da Silva Santana, funcionário da TV Record (Foto: Reprodução)TV

A princípio, de acordo com os bombeiros, o piloto da TV Record foi atendido no Hospital Municipal Salgado Filho, no bairro do Méier onde ele foi socorrido. Em seguida ao atendimento, o estado de saúdo do funcionário seria estável.

A situação gerou pânico nos residentes daquela região. Segundo uma postagem de uma moradora nas redes sociais havia “Muito tiro na Mangueira” naquele momento. Continuando, ela advertiu: “Se alguém for passar perto daqui muito cuidado!”.

Segundo a polícia do Rio, a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Mangueira foi atacada por homens armados durante uma patrulha na Rua Visconde de Niterói que resultou em um confronto na região. Mas, passado a ocorrência o policiamento foi reforçado no local.

Em nota de repúdio, a A Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) , a ANER (Associação Nacional de Editores de Revistas) e a ANJ (Associação Nacional de Jornais) repudiaram o ocorrido e consideraram a situação de “extrema gravidade”.

“É inaceitável que a imprensa seja submetida a este nível de violência. ABERT, ANER e ANJ seguirão empenhadas em coibir toda e qualquer represália ao trabalho jornalístico e pedem providências imediatas às autoridades locais para o esclarecimento do caso e rigorosa apuração dos fatos”, disse a nota.


Artigo seguinte